sexta-feira, 21 de maio de 2010

30 Anos de [Puck-Man] Pac-Man



Cara. Ainda me lembro quando tínhamos hiperinflação no Brasil e meu pai vendeu um terreno, e para não perder dinheiro tínhamos que gastar o que sobrou para não desvalorizar.

Compramos coisas estranhas que quase ninguém tinha na época, como um Microondas [eu não entendi porque tínhamos comprado uma televisão que tinha uma alça no lado da tela, coisa que só se esclareceu em casa após ver aquilo funcionando], um tal de vídeo-cassete [só existia uma vídeo locadora, na época chamada de vídeo-clube em Porto Alegre, e pagávamos mensalidade para ser sócios] e um tal de ATARI.

Ter um Atari em cada era maravilhoso, era como ter um fliperama em casa [não que eu tivesse idade para ir em fliperamas] e com ele veio um cartucho de jogo era um
Tal de PAC-MAN.

Não tenho como descrever pra vocês quantas horas de diversão aquela bolinha amarela pode me proporcionar. Claro que hoje comparando aquilo com o Kratos não tem mai9s tanta graça. Mas... os videogames tinham que começar em algum lugar.

Achei o histórico do Pac-man, talvez para o pessoal mais jovem não tenha tanta graça. Mas para quem como eu acompanhou a evolução [quase nula] do jogo é legal ver isso.

Parabéns a um dos primeiros personagens de videogames do mundo

[mas eu ainda sou mais velho que você]

E se perguntarem sobre a influencia dos videogames sobre as crianças, lembrem-se:

Há 20 anos perguntaram ao presidente da Nintendo se os videogames não estavam influenciando as crianças, e ele respondeu: “É claro que não, se o Pac-man tivesse influenciado a nossa geração, estaríamos todos correndo em salas escuras, mastigando pílulas mágicas e escutando músicas eletrônicas repetitivas. (Kristian Wilson, Nintendo Inc., 1989.)
Poucos anos depois surgiram as festas RAVE,a música eletrônica e o ecstasy.

Um comentário:

  1. Merciless Bastard21 de maio de 2010 15:12

    Não comecei minha vida de gamer com o Atari, já que eu nasci em 85, mas eu joguei bastante Pac-man, e junto com o Tetris é um dos joguinhos mais incrivelmente viciantes que existem...

    ResponderExcluir